Os monges e a mulher no rio…

dois monges

Gosto muito de usar contos e parábolas para ilustrar situações do nosso dia a dia… E hoje trago, para vocês, o conto “Os monges e a mulher no rio” (autor desconhecido), que nos permite uma reflexão muito importante:

Muitas vezes, nos deixamos levar pelas convenções criadas e deixamos de agir da maneira correta. Ficamos muito preocupados (as) com “o que os outros vão falar”, e permitimos que aquele assunto fique “martelando” nas nossas cabeças, nos incomodando e, o pior é que tomamos atitudes que não são “reconhecidas” pelo nosso melhor lado… Fazemos aquilo que sentimos como “não correto”.

Aprendi que, quando agimos com o coração e sem julgamentos, não carregamos o fardo da nossa ação… É como se a nossa “alma” reconhecesse a verdade da nossa intenção e a acolhesse dentro dela… E nos sentimos leves, em paz…

O contrário também é verdadeiro: Se agimos (ou deixamos de agir) com medo e culpa, carregamos esse sentimento dentro de nós, já que não agimos dentro do nosso melhor… E a “alma” não reconhece essa atitude porque ela só enxerga a verdade e, com isso, temos a tendência de nos prendermos a dificuldades semelhantes… E carregá-las, ás vezes, por uma vida inteira…

Pensem nisso!

Os monges e a mulher no rio

Relata-se, que em um monastério, viviam dois monges que eram muito amigos e sempre cumpriam seus afazeres em conjunto.
É fato que monges não podem se aproximar de mulheres, nem ao menos, nelas tocar.
Certo dia, ao atravessarem a floresta para comprar mantimentos na cidade, se depararam com uma mulher que estava com dificuldades para atravessar o rio que dava acesso ao vilarejo e que se encontrava agitadíssimo.
Um dos monges disse:
– Não podemos ajudá-la, fizemos voto de que não poderíamos tocar em mulher alguma.
O outro monge replicou:
– Também fizemos voto de ajudar a todas as pessoas e criaturas deste mundo, sem haver distinção.

Então, este mesmo monge colocou a mulher em suas costas e atravessou o rio, deixando-a na outra margem.
Os dois monges seguiram caminho e durante a jornada houve uma grande pausa na conversação dos mesmos.
Logo, o silêncio foi interrompido pelo monge que era contra a idéia de carregar a jovem, que disse:
– Você não devia tê-la carregado, ela vai ser um peso para sua caminhada!
O outro monge, sabiamente respondeu:
– Eu deixei a mulher na outra margem do rio. No entanto, você é quem continua carregando a mulher na sua caminhada…

Aloha

Linda semana para todos!

Claudia Michepud Rizzo

Anúncios

3 comentários Adicione o seu

  1. lucas disse:

    Vi esse conto em um filme e não tinha entendido. Agora consegui compreender, valeu!

  2. Emiliana Aparecida de Souza Fagundes disse:

    Belíssima mensagem… Me fez pensar nas minhas atitudes sem reflexão. Gostaria de receber uma mensagem, que me fizesse deixar para trás atos impensados. Obrigada!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s