Reflexões sobre o relacionamento afetivo

Hoje quero propor uma reflexão sobre Relacionamento.
Vamos começar falando sobre o que é relacionar-se:  significa estabelecer uma comunicação, uma ponte entre as pessoas, as quais estão unidas por um propósito ou objetivo. Quando se comunicam bem e o gostam de fazer, diz-se que há um bom relacionamento entre as partes. Quando se tratam mal, e pelo menos uma das pessoas não gosta de entrar em contato com as restantes, diz-se que há um mau relacionamento.

Tem pessoas que se relacionam como uma forma de se servir de alguém, como uma maneira de concretizar os seus interesses ou desejos. Nesta dimensão, obter torna-se o grande propósito do relacionamento. Dar passa a ser a moeda de troca, através da qual paga-se aos outros pelo seu serviço, a sua atenção, o seu esforço ou sacrifício, para agradar…

Relacionar-se de forma equilibrada e natural pressupõe o desejo, acima de tudo, que no relacionamento se encontre os pontos de união que permitam transcender as diferenças e a separação. Partilhar passa, então, a ser a razão de ser para o relacionamento.

Mas, e quando os relacionamentos estão em crise?

Esta, muitas vezes é a oportunidade de se perceber no seu olhar e no olhar do outro. É o jogo do espelho: o que eu vejo e critico no meu parceiro(a), que não consigo perceber em mim?

Neste processo é preciso entrar em contato com o que é seu: ilusão, julgamento, percepção, críticas, com a sua verdade e com a verdade do outro.

Não é um processo fácil. Ele exige muita coragem de ambas as partes…

Para reflexão, trago um excelente texto da Claudia Bava Shinyashiki sobre o assunto. Confira!

“Quando uma pessoa procura terapia para melhorar o seu relacionamento afetivo ao menos uma coisa é certa: vai ser preciso ajudá-la a ver melhor a si mesma e à pessoa amada.
Relacionamento afetivo é sempre uma mistura de amor e ilusões…
Amor pelo outro. Amor pela vontade de compartilhar a sua vida com alguém. Amor pela vida a dois.
Mas também uma dose, maior ou menor, de ilusão.
Ilusão de que o outro vai trazer a tão procurada felicidade.
Ilusão de que o outro vai acabar para sempre com a solidão. Ilusão de que o outro vai trazer a paz de espírito.
Ilusão de que o outro vai trazer segurança.
Quando a pessoa percebe que a convivência traz sofrimento e frustração, tem a sensação de que foi pega em uma armadilha e geralmente começa a procurar um culpado por estar se sentindo infeliz.
Geralmente no início, ela culpa a si própria.
Começa a lembrar de seus fracassos e dificuldades nos relacionamentos anteriores, acredita que está fazendo tudo errado e por mais que se esforce não consegue sair do buraco. Pensa que está feia, gorda demais, desagradável, briguenta, mal humorada…
Quando essa auto-tortura fica insuportável, a pessoa passa, então a atacar o parceiro. Cada ação do outro é capaz de inspirar um sentimento de irritação que parece absolutamente justificado. Até a forma de comer dele torna-se irritante. O jeito de falar com qualquer pessoa parece mais atencioso do que a maneira com que fala com o parceiro.
E assim, se instala o silencioso processo de decepção com o outro, com o amor e com a vida…..
A terapia de pessoas que buscam relacionamentos verdadeiros, sempre envolve o rompimento com os ideais de relacionamento perfeito; a consciência de que para trilhar o caminho do amor é necessário mais do que de paixão, é preciso que haja compromisso, aceitação, respeito e dedicação; ter uma percepção clara de si mesmo e do outro. Enfim, é aprender a valorizar o amor e transformar as imperfeições em zonas de crescimento.
Sabemos que temos diferenças grandes, mas estamos dispostos a ser compreensivos com nossas mazelas para aprender a amar.
Sabemos que temos projetos diferentes mas respeitaremos a autonomia do outro para conseguirmos aplaudir as suas vitórias…

os casais que criam relacionamentos sólidos freqüentemente não são aqueles mais apaixonados, mas os que têm o compromisso de evoluir juntos e que aprenderam a amar não somente o outro, mas também a vida que construíram.”

E você? Como está o seu comprometimento com o amor de verdade?

Pense, reflita e ame…

Márcia de Lucena Saraceni

Fonte: http://novatitude.no.sapo.pt

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s