Você é o resultado das suas crenças… A Princesa e a Bruxa

contos de fada

Qual a cor que você enxerga sua vida? Lendo esta estória fica mais claro como nossas crenças interferem em nossa percepção e, por conseqüência moldam nossa vida…

No Reino Encantado, uma bruxa malvada foi insultada pelo rei que, de forma sarcástica e em presença do público, chamou-a de feia e atrevida. A bruxa, encolerizada, encarou o rei e apontando para a filhinha daquele monarca, à época com dois anos de idade, lançou uma maldição dizendo: “A minha feiúra recairá sobre a tua filha. Ela chegará à idade juvenil com as minhas feições e, para tua infelicidade, ela será rejeitada por todos!”

 A notícia do malefício da bruxa espalhou-se por todo o reinado, causando grande assombro. O poder feiticeiro da bruxa era conhecido e temido em toda a redondeza.

E não deu outra, o feitiço pegou! No decorrer dos anos, as feições da criança mudaram, assumindo um aspecto semelhante ao de uma bruxa. A feiúra da jovem princesa, única filha do rei, impressionava e deixava triste o povo daquele reinado. O rei, desesperado, desde cedo promoveu uma verdadeira peregrinação na tentativa de desfazer o feitiço. Convidou magos, feiticeiros, curadores, médicos e sábios da localidade, que tudo tentaram e nada conseguiram.

A jovem princesa atingiu os 14 anos de idade e, em seu rosto, todos podiam ver a consumação do sortilégio que lhe fora lançado. Sua pele apresentava-se envelhecida, áspera e enrugada; o nariz crescido de forma desproporcional, largo e pontudo; as orelhas alongadas, os olhos esbugalhados, desdentada e com cabelo duro e arrepiado. O rosto da jovem contrastava com o restante do seu corpo juvenil, que ganhara formosura e beleza.

O desespero do rei chegou ao auge, quando viu aproximar-se o aniversário de 15 anos da princesa. Inconsolado, ele ofereceu metade de sua fortuna a quem desfizesse o feitiço maldito. A oferta atraiu multidões ao palácio, porém ninguém teve êxito. Desesperançado, o rei isolou sua filha, mantendo-a prisioneira numa torre. Sozinha, triste e magoada, restou-lhe entregar-se ao pranto.

Distante dali, as lágrimas da jovem princesa foram ouvidas pela Fada Madrinha. Comovida, ela usou seus poderes benéficos e compreendeu o drama daquele reinado. Decidiu agir.

Em sonho, apresentou-se ao rei a quem disse que havia penetrado na torre e se maravilhado diante da beleza da jovem princesa.

Surpreso, o rei balbuciava:

– Minha filha?

– Sim, sua filha, ela é linda, é a mais bela das mulheres!

E o rei repetia: – Minha filha é linda, minha filha é linda, é linda, é linda!

 Assim falando, o rei acordou com aquela idéia fixa na cabeça. Decidiu rever sua filha. Apressado, subiu á torre e, ao chegar ao quarto viu, pela primeira vez, a verdadeira face de sua filha. Era, sem dúvida alguma, a jovem mais bela daquele reinado.

Tomado pela forte emoção, o rei teve um instante de rara intuição e… zump!, como um raio, um pensamento passou-lhe pela mente e ele entendeu o mistério daquela maldição. Enfim, o feitiço estava desfeito! Comemorou intensa e silenciosamente.

 No mesmo dia, determinou que se espalhasse por todo o reinado, com toda a pompa possível e com muita festa, que o feitiço chegara ao fim e que a jovem princesa era bela. Foram três dias de festejos, autorizados pelo rei, nos quais a notícia do fim da maldição fora comemorada com intenso júbilo, fazendo a alegria retornar ao coração do povo.

Poucos dias depois, um rei orgulhoso e feliz exibia sua linda filha para a multidão, na festa de seus 15 anos.

Enquanto a multidão se comovia diante da beleza da princesa, o rei aproximou-se de sua rainha e revelou o mistério: “O feitiço consistia numa crença. A bruxa malvada nos fez acreditar que a princesa seria feia e, por havermos dado ouvido a essa crença, víamos nossa filha do jeito que ela prognosticara. O sonho, que me trouxe a idéia fixa de que minha filha era linda, foi suficiente para eliminar a crença maléfica. Vi a verdadeira face da princesa, mudando minha crença. Os três dias de festa que autorizei tiveram a finalidade de promover uma lavagem cerebral na mente do povo, de modo a eliminar a crença anterior e fazer com que esse povo aqui viesse, hoje, com uma nova disposição mental”.

Nesta estória despontam as seguintes figuras: o rei, o reinado, o povo, a princesa, a bruxa, o feitiço e a fada madrinha, que podemos traduzir como:

O rei é você.

O reinado representa seu tesouro mental, sua idéias, crenças, concepções, aquilo que você administra dentro de si.

O povo é seu estado de alma, alegre ou triste, vencedor ou derrotado, agradecido ou mal agradecido, etc.

A princesa é a vida, que se apresenta a você do jeito que você crê que ela é: otimista ou pessimista, alegre, divertida ou triste, amarga e angustiante…

A bruxa representa aquelas pessoas que transmite a você idéias negativas, trazendo em seu rastro tristeza, sentimentos de inferioridade, desequilíbrio e desânimo.

O feitiço é a figura dos acontecimentos ruins que surgem em seu caminho. Decorrem das crenças negativas, pessimistas, derrotistas que você acumula.

A fada madrinha surge como seus protetores. São as pessoas boas com as quais você convive, e que estão agindo em seu favor, quer seja de forma ostensiva, quer seja no anonimato. São aqueles companheiros que incutem em você a confiança, o respeito, os bons pensamentos, enfim, as crenças positivas.

Cada pessoa vê a vida do jeito que quer, ou conforme acredita que ela seja. Existem pessoas que estão rodeadas por coisas boas, mas não vêem isto, e optam por queixas e reclamações infundadas, transformando o que poderia ser uma vida feliz, num mar de revolta e angústia.

É essencial, para se viver bem, a valorização daquilo que temos. Os inconformados não pensam assim e sempre encontrarão razões para justificarem seus pontos de vista. Resultado: estarão, sempre, vendo a vida pelo lado ruim, pintando-a com cores feias. Há situações nas quais, por mais que se faça por uma dessas pessoas, pouco se consegue, porque a causa da desilusão está nela mesma.

Temos o que cremos. Acreditar é poder, que tanto pode levar-nos para o fracasso como para o sucesso, dependendo das suas crenças negativas ou positivas.

Pense nisso!

Bons ventos lhe soprem o que precisa para ser feliz!

Márcia de Lucena Saraceni

 Extraído do livro: Novas Histórias que ninguém contou… Ed DPL.  Melciades José de Brito.

Anúncios

8 comentários Adicione o seu

  1. Deise Lemos de Almeida disse:

    Um belo ensinamento Marcia.
    Disciplinar a mente para que a cada pensamento negativo seja substituído por um positivo. Afinal é melhor enfrentar os obstáculos com disposição e confiança.
    Um excelente dia para vocês!

    1. Márcia disse:

      É isso mesmo Deise, e esta tarefa cabe apenas a nós mesmos! Quando percebemos que tipo de pensamento estamos tendo nos diversos momentos do nosso dia, temos a chance de escolher que lado vamos alimentar mais, se o positivo ou o negativo.
      Muita Luz!

  2. Rafael disse:

    Cada vez me impressiono com a luz e os textos que você trazem a nós.
    Muito Obrigado.
    E “bora” ser feliz, desapegando das velhas crenças que não nos “aumenta” em nada.

    Um abraço forte cheio de Paz e LUZ.
    Com muito carinho e gratidão Rafa

    1. Márcia disse:

      Rafael, outro dia li uma frase que me impressionou e me trouxe muitas reflexões: Você quer ter razão ou ser feliz?
      Estou junto com você: Vamos ser felizes!!!
      Grata por nos acompanhar!

  3. Bruna Angelica disse:

    “(…) Você tem três tipos de programação: 1ª – a programação genética (o instinto); 2ª – a programação sócio-cultural (família, amigos, escola, trabalho, líderes espirituais e políticos, livros, cinema, TVs, etc.); 3ª – a auto-programação ou a programação feita por você em você mesmo.
    Na primeira programação você não tem nenhum controle; na segunda, tem controle parcial; e na terceiraprogramação você tem controle total. (…)”
    Buenos dias à todos!!! Besos

    1. Márcia Lucena disse:

      Bruna, muito boa sua observação. Quando temos consciência de que temos este controle total sobre nossas ações e pensamentos é que temos a possibilidade de mudar.
      Grata, pelo comentário!

  4. Johnny Soares disse:

    Dra. Marcia, excelente texto!

    Isso tudo faz muito sentido pra mim. De fato, preciso rever minhas convicções e crenças e parar de ouvir/acreditar em tudo o que a “bruxa” e o “feitiço” simulem que eu seja.

    1. Márcia disse:

      Johnny, fico muito feliz com sua visita!
      Tenho certeza que este é o início de uma nova forma de ver e vivenciar o mundo. Acredite em você! Você é o rei de sua vida e só você tem o poder de acabar com estes “feitiços” que ora te assombram.
      Continue a nos visitar.
      Abs
      Márcia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s