Relações explosivas: Por que é tão difícil colocar um ponto final?

Relacionamentos explosivos

Em se tratando de relacionamentos, todos já vivemos ou presenciamos suas várias formas de expressão no mundo. Existem relacões que trazem encontros luminosos assim como existem parcerias doentias que só fazem mal. Então, o que será que une este casal se não é o amor, o desejo de estar juntos, de construir uma vida comum, de forma saudável?

O texto abaixo escrito por Patrícia Gebrin, nos trás uma reflexão sobre este tema.

“Ora, quando pensamos racionalmente, tudo fica muito simples. Se uma relação nos faz mal deveríamos deixá-la e seguir em frente, em busca de alguém com quem pudéssemos celebrar uma parceria saudável, construtiva e mais feliz. Mas nem sempre é assim.

É muito comum, e eu tenho certeza de que você conhece algum casal assim. Encontramos pessoas que parecem estar unidas não pelo que tem de saudável, e sim por uma espécie de vínculo doentio, que não parece fazer sentido para quem olha de fora. São casais que vivem no limite, a ponto de explodir. Parecem viver numa intensidade tal que o menor movimento pode ser o gatilho para uma reação intensa puramente emocional. São os casais que protagonizam grandes brigas por ciúmes, posse, tentativa de controlar o outro, e por aí vai. Muitas vezes parecem de tal maneira apaixonados que quem os olha de fora chega a invejar tamanho “amor”. Vivem a polaridade amor /ódio, muitas vezes chegando a atitudes inaceitáveis de desrespeito e agressão.

– Por que essas pessoas continuam juntas?

Nos perguntamos, sem compreender, uma vez que aquele relacionamento parece gerar muito mais desgaste do que alegria e prazer.

São muitos os possíveis motivos para explicar o motivo dessas uniões desastrosas. A verdade é que, quase sempre, essas parcerias acabam causando sérios danos aos que nela se encontram envolvidos.

Quase sempre percebemos que o que aconteceu foi uma espécie de entrelaçamento nas históras de duas pessoas sofridas. Cada uma delas traz de seu passado, de sua infância, aspectos não resolvidos, que são atualizados e revividos na relação atual. Assim, não é ao outro que ficam aprisionados, e sim ao seu próprio passado não resolvido. Por esse motivo, um trabalho mais profundo de autoconhecimento é necessário, para que as pessoas se libertem dessa repetição que tanto lhes causa mal, para que caminhem em direção a um relacionamento mais saudável, que lhes traga uma sensação de autovalorização e bem-estar.

Também é comum que essas pessoas tenham encontrado nessa forma intensa de viver, sempre a um ponto da explosão, uma fonte de vida. Da mesma forma como, ao praticar um esporte radical, somos levados a experienciar uma descarga de adrenalina que nos tira da consciência cotidiana e nos faz sentir, por algum tempo, extremamente cheios de vida, algumas pessoas passam a sentir-se assim em relacionamentos amorosos como os que relatei. Como se a intensidade de tudo, a sensação de beirar uma explosão, trouxesse ao casal a sensação de estarem vivos como nunca.

Aos envolvidos nessa parceria explosiva, parece muito sem graça viver um relacionamento mais ameno, como se lhes faltassem emoção.

Assim como buscamos emoção no uso de drogas, na prática de esportes radicais que muitas vezes chegam a destruir nossa vida, podemos utilizar os relacionamentos para isso.

É preciso que avaliemos o custo de tudo. Não há nada de errado em buscar tornar nossa vida mais emocionante, mas é preciso que tenhamos a medida do saudável em tudo. Existe um limite protetor que não podemos atravessar. Se, para viver uma emoção colocamos nossa vida, física ou emocional, em risco, é preciso que reconsideremos nossa escolha.

Podemos aprender a povoar nossa vida cotidiana com pequenas emoções, podemos buscar essa adrenalina que nos deixa com as bochechas vermelhas de tantas formas… Por que escolher algo que nos destrua, que avilte o que temos de mais raro: a vida? Por que nos matarmos, mesmo que emocionalmente, em busca de vida?

Não faz sentido!”

Bons ventos lhes sopre o que seu coração precisa para ser feliz!

Márcia de Lucena Saraceni

Anúncios

2 comentários Adicione o seu

  1. Juliana Manzano disse:

    Olá, Márcia!

    Gostaria de deixar um ponto de vista sobre esse assunto do post…

    ” Então, o que será que une este casal se não é o amor, o desejo de estar juntos, de construir uma vida comum, de forma saudável?”

    Acredito profundamente que casais assim, com relações tão conturbadas, estão juntos não por coincidência, mas porque têm muito o que aprender no relacionamento, tanto referente ao convivío com o outro, quanto referente a dominar suas próprias emoções.

    Seria como uma oportunidade de desenvolver e melhorar dois seres em uma única ocasião. Porque convenhamos: lidar com pessoas é bem complicado, ainda mais com aquele que divide o teto com você. kikikikiki

    Também, às vezes, como estamos de fora, pensamos que não há amor na união, mas acho que ele acaba sendo encoberto pelos problemas, existindo bem lá no fundo e mantendo a relação a dois.

    É claro que há situações em que ninguém quer se melhorar e só vive como a autora disse, buscando situações de emoção para se sentir vivo, mas creio que também relacionamentos conturbados possam trazer grande desenvolvimento se algumas qualidades forem cultivadas. Às vezes a união é necessária.

    É isso.

    Pra variar, parabéns pelo bom texto e obrigada por me fazer pensar sobre isso.

    Muita luz!

    Beijos

  2. Márcia Lucena disse:

    Juliana, muito válida suas reflexões.
    Penso que sempre crescemos no convívio com outras pessoas, seja um relacionamento pessoal, de trabalho, familiar, etc., Muitas vezes este crescimento vem acompanhado de prazer e felicidades, outras vezes de dor… Para que as dores não sejam perpetuadas relacionamento após relacionamento, precisamos buscar um autoconhecimento e querer fazer mudanças que nos tragam felicidade. É muito comum vermos pessoas apegadas a relacionamentos que não mais trazem felicidade, muitas vezes por comodismo…
    A mudança não está no outro, mas começa em cada um de nós!
    Continue nos acompanhando!
    Abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s