A paz que trago hoje em meu peito

O texto de hoje nos fala sobre como ter paz e as suas diferentes nuances para preenchermos o nosso EU de maneira plena e suave… Fala-nos sobre a simplicidade para encontrá-la…

“A paz que trago hoje em meu peito é diferente da paz que eu sonhei um dia… 

Quando se é jovem ou imaturo, imagina-se que ter paz é poder fazer o que se quer, repousar, ficar em silêncio e jamais enfrentar uma contradição ou uma decepção. 

Todavia, o tempo vai nos mostrando que a paz é resultado do entendimento de algumas lições importantes que a vida nos oferece. 

A paz está no dinamismo da vida, no trabalho, na esperança, na confiança, na fé… 

Ter paz é ter a consciência tranquila, é ter certeza de que se fez o melhor ou, pelo menos, tentou…

Ter paz é assumir responsabilidades e cumpri-las, é ter serenidade nos momentos mais difíceis da vida. 

Ter paz é ter ouvidos que ouvem, olhos que veem e boca que diz palavras que constroem. 

Ter paz é ter um coração que ama… 

Ter paz é brincar com as crianças, voar com os passarinhos, ouvir o riacho que desliza sobre as pedras e embala os ramos verdes que em suas águas se espreguiçam… 

Ter paz é não querer que os outros se modifiquem para nos agradar, é respeitar as opiniões contrárias, é esquecer as ofensas. 

Ter paz é aprender com os próprios erros, é dizer não quando é não que se quer dizer… 

Ter paz é ter coragem de chorar ou de sorrir quando se tem vontade… 

É ter forças para voltar atrás, pedir perdão, refazer o caminho, agradecer… 

Ter paz é admitir a própria imperfeição e reconhecer os medos, as fraquezas, as carências… 

A paz que hoje trago em meu peito é a tranquilidade de aceitar os outros como são e a disposição para mudar as minhas próprias imperfeições. 

É a humildade para reconhecer que não sei tudo e aprender até com os insetos… 

É a vontade de dividir o pouco que tenho e não me aprisionar ao que não possuo. 

É melhorar o que está ao meu alcance, aceitar o que não pode ser mudado e ter lucidez para distinguir uma coisa da outra. 

É admitir que nem sempre tenho razão e, mesmo que tenha, não brigar por ela. 

A paz que hoje trago em meu peito é a confiança Naquele que criou e governa o Mundo… 

A certeza da vida futura e a convicção de que receberei, das leis soberanas da vida, o que a ela tiver oferecido.

(Redação Momento Espírita)

 Aloha

Claudia Michepud Rizzo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s