A sua melhor companhia: você

download

Tenho visto, hoje em dia, como o fato de “estar sozinho (a)” é algo cada vez mais pesaroso para as pessoas. Ficar consigo mesmo (a), com um tempo absolutamente livre para si, deixou de ser um momento desejado para ser algo evitado.

Noto agendas cada vez mais cheias de compromissos. Lotadas, sem nenhuma brecha. Timelines de facebook lotadas de compromissos realizados, lugares marcados e programações compartilhadas: “Sim! Tenho muitos compromissos e faço parte do mundo”.

Mas será que essa sequência infindável de atividades não é só uma maneira das pessoas fugirem de seus próprios medos, problemas, dilemas ou ansiedades?
Quando estamos sozinhos, somos nós mesmos…  Não forjamos sorrisos e nem nos preocupamos com cabelos arrumados ou se temos uma sujeira nos dentes.
Quando estamos somente em nossa companhia é que temos a oportunidade de descobrir onde está a origem da nossa dor, da nossa angústia ou daquilo que vem nos tirando do equilíbrio há algum tempo. E é somente achando a causa que conseguimos buscar a cura, não é mesmo?

Comece a aliviar o aperto de sua agenda. Marque um horário consigo mesmo e dê a esse tempo a mesma atenção que daria se o tivesse compartilhado com um amigo ou alguém querido. Na confusão do dia-a-dia pode ser mais difícil ouvir o próprio coração e se manter em paz.
Permita-se estar só e descubra-se cada vez mais. Esse tempinho fará diferença e você estará mais ‘inteiro’ para você e para os outros com os quais convive.

Nessa linha, deixo um texto de Martha Medeiros que nos faz refletir que somos, de fato, nós mesmos quando estamos sós. Na multidão, na sociedade, nos tornamos mais um que tenta, ou não, se destacar do senso comum.

Visíveis para si mesmos 

“Ficar sozinho não é estar abandonado, ao contrário: é encontro dos mais sagrados.

Se você fosse um super-herói, qual o poder que gostaria de ter? Pergunta clássica, resposta clássica: 99% das pessoas gostariam de ficar invisíveis. É o desejo também do senhor Y, o enigmático personagem de O Homem Visível, de Chuck Klosterman, livro que mistura ficção científica, bizarrice e suspense numa trama que, ainda que inverossímil, prende o leitor e faz refletir.

Y trabalhou num projeto ultrassecreto do governo americano e acabou desenvolvendo uma tecnologia de camuflagem ele criou uma espécie de segunda pele que o torna invisível. Com que propósito? Entrar na casa de pessoas que morem sozinhas e, sem ser percebido, vê-las em sua rotina comum. O obcecado Y acredita que uma pessoa é 100% autêntica apenas quando ninguém a está observando.

Ah, super Y. Além de invisível, você lê pensamentos? Acredito no mesmo que você. Sozinha não finjo, não disfarço, não retruco, não provoco, não julgo, não condeno, não sumo, não volto. Sozinha não há céu que me rejeite – assim encerra um poema que escrevi certa vez sobre o benefício da solidão.

Não que sejamos todos uns falsos ao sair pela porta de casa, mas é indiscutível que, assim que entra um vizinho no elevador, você automaticamente aciona um dispositivo que produz um sorriso e um comentário sobre o clima, quando na verdade está morta de sono e preferiria continuar calada. Uma atuação inofensiva e gentil, mas, ainda assim, uma atuação. É preciso contracenar.

No entanto, em suas visitas secretas a homens e mulheres que se acreditavam em total privacidade dentro de seus apartamentos, Y repara que elas não se sentem tão relaxadas como deveriam. Ele se dá conta de que as pessoas não consideram o tempo que passam sozinhas como parte de suas vidas. Diz o personagem: “Sempre me senti mais vivo quando estava sozinho, porque esses eram os únicos momentos que não sentia medo de ter minhas ações examinadas e interpretadas. O que acabei descobrindo é que as pessoas precisam que suas ações sejam examinadas e interpretadas, para acreditar que o que fazem tem importância”.

É preocupante. Hoje, as pessoas só confirmam sua existência quando estão em público. No entanto, creio que é justamente quando estamos misturados aos demais que nos tornamos invisíveis.

Acabamos infiltrados na manada e compartilhamos opiniões originadas do senso comum, tudo pela ansiedade de fazer parte de alguma coisa. Já ao nos concedermos momentos de isolamento, entramos em real conexão com nossos desejos, processamos as experiências vividas e esculpimos silenciosamente o homem e a mulher que estamos nos tornando. Ficar sozinho não é estar abandonado, ao contrário: é encontro dos mais sagrados. Invisível para os outros, extremamente visível para si mesmo.

É divertido ser invisível e todos nós temos esse poder, basta estar numa festa para 800 convidados, por exemplo. A visibilidade é que é rara: olhar profundamente para dentro e enxergar o que ninguém mais consegue ver.”

Amor, luz e consciência. Sempre

Cíntia Michepud

4 comentários Adicione o seu

  1. Realmente, estar a sós com Deus, é uma situação singular…mas pra se chegar a esse entendimento, leva tempo….é o saborear a verdadeira individualidade a que fomos criados…..
    agradeço o compartilhar do texto. Abraços

    1. Cíntia Michepud disse:

      Com certeza é necessário tempo e vontade…mas vale a pena!
      Muito grata, Elisete. Pela visita e comentário.
      Um beijo,
      Cíntia

  2. Nena disse:

    Olá, sempre belissímos artigos, ajudando-nos a evoluír, Parabéns!
    Namastê❤

    1. Cíntia Michepud disse:

      Nena,
      Agradeço o carinho!
      Namastê!!
      Muita luz, beijos,
      Cíntia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s