E você: quer ser feliz ou ter razão?

 

Havia um garoto. Ele andava tranquilo pela estrada da sua vida e percorria um caminho reto, gramado, cheio de verde e flores. Passava pelas janelas do seu trabalho, do seu papel como amigo, como jovem pai até que um dia ele se deparou como uma bifurcação. O caminho, antes sem opção de escolha, lhe perguntava: você quer ser feliz ou ter razão? Essa escolha passou a ficar cada vez mais constante na sua estrada e aparecia, na maioria das vezes, em momentos de discussões ou divergências de opiniões com pessoas próximas.
Teimoso, o garoto escolhia ter razão. E, cada vez que conseguia ultrapassar os obstáculos que ora eram poças d’água, ora arames e troncos, se sentia vitorioso e orgulhoso de si mesmo que seguia triunfante pela estrada da razão.

Cego com seus desafios e artimanhas para superar os obstáculos, o garoto não percebia que a estrada já não tinha mais gramados, nem uma flor sequer. Os raios de sol que iluminavam suas relações estavam cada vez mais tímidos e era cada vez mais comum um amanhecer nublado, às vezes com garoas incômodas.
Em um dia qualquer, ele acordou cansado e, novamente, havia logo à frente uma porta velha com galhos soltos e altos bloqueando sua passagem. Ele, sem energia, pensou em pedir ajuda aos seus amigos e familiares mas as janelas e portas que davam acesso à eles estavam distantes, umas 2 horas distante, no mínimo. Nesse momento ele se deu conta de quão cinza estava sua estrada: sem vida, sem graça. Ele tinha razão, vencia qualquer discussão e era o rei da dialética. Mais nada.

Essa história pode ser a de qualquer um de nós, não é mesmo? Quantas vezes não prolongamos discussões e ‘vamos até o fim’ até sairmos vitoriosos do embate? Quantas vezes não estragamos uma saída, um encontro ou uma programação porque algo não saiu como gostaríamos e, então, passamos a querer explicações e justificativas desgastantes para o ocorrido? No ambiente de trabalho, até que ponto vale brigar e gastar energia para defender um projeto ou opinião?
Entendo que para tudo há um limite e, para mim, esse limite é atingido quando ele ameaça a minha paz de espírito e o meu equilíbrio de vida. Se a briga no trabalho tiver que ser grande a ponto de me fazer chegar em casa e ignorar o amor que minha família tem para mim, repenso. Se eu preciso pontuar algo para alguém próximo e eu sei que vai impactar todo o dia que vem pela frente, reflito.

Sei que às vezes somos levados pelo dia a dia e repensar e refletir não é algo tão simples de se fazer, porém, acho um desafio importante para escolhermos encarar. Acredito que não vale a pena colocar nossa felicidade em jogo para termos razão em todas as conversas, sejam elas com o marido, namorada ou em uma mesa de bar.

Parece trivial, como se já fizéssemos isso naturalmente, escolher a estrada de gramado verde e raio de sol. Em um lado poético, se perguntarmos se as pessoas preferem ser felizes ou ter razão, ouviremos um brado que é óbvio, ‘eu prefiro ser feliz’. O que acontece é que muitas vezes isso não sai do discurso e, no primeiro desentendimento com o namorado, na primeira briga com a mãe ou na primeira divergência com o chefe, lá vem nosso ego cheio de razão pronto para brilhar e colocar em prática seus discursos e conhecimento que o farão ganhar mais ‘uma batalha’.
Essa reflexão é diária, para não dizer de hora em hora. A qualquer momento podemos nos deparar com a bifurcação na estrada: que tenhamos sabedoria de saber a hora de insistir em uma opinião e a hora de abrir mão da razão para sermos felizes em uma relação e com nós mesmos. E que tudo isso aconteça antes da estrada estar nublada – e fria demais.

E você: quer ser feliz ou ter razão?

Cíntia Michepud

5 comentários Adicione o seu

  1. Silvia disse:

    Uma questão nada fácil de responder…Depende muito do que você acha certo ou errado.Eu, acredito que a paz de espírito deva vir sempre em primeiro lugar.Portanto, se sua felicidade depender de abrir mão dela,não escolheria esse caminho.Pois seria negar um sentimento maior.

    1. Cíntia Michepud disse:

      É isso mesmo, Silvia. Tambem acredito que é uma questão do que é prioridade para cada um. O que faz uma pessoa feliz nao necessariamente é o que fará outra encontrar a paz de espírito. O importante é sabermos o que é prioridade para nnós e entender que não existe certo e errado. ☺ obrigada pela reflexão

  2. marciane disse:

    Nossa…nada é por acaso…esse texto hoje serviu como uma luva em um momento que passei…no caso quem tinha que fazer a escolha não era eu, mas alguém muito próximo…e pelo visto escolheu ter razão…como às vezes é complicado para nós, pesarmos isso não é mesmo?Entre cruz e a espada…entre a razão e a emoção…
    Estás me fazendo refletir … e eu?
    Será que eu tenho escolhido ser feliz, ou ter razão?
    lição de casa para final de semana…kkk beijos amo teus textos.

    1. Cíntia Michepud disse:

      Marciane,
      É verdade! é uma grande reflexão. E para todos os dias não é mesmo?
      Gratidão pelo carinho… Ah, e agora o sabedoria universal também está no instagram. Se quiser, segue nosso blog lá : @sabedoriauniversal.

      Muita luz,
      Cíntia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s