Feliz no chafariz

Porque toda alma é livre, leve e se diverte como uma criança. Porque a alma nunca apreendeu  conceitos  pré-estabelecidos pela sociedade, ela pode sim amar como num conto de fadas e morar em castelos reais se quiser. Nós podemos tudo se acreditarmos. O estranho é que a maioria das pessoas deseja um amor que caiba em…

Desabroche em qualquer idade

Como a relação humana é estranhamente mágica! Um artigo sobre flores me fez associar esse universo ao nosso. Percebi, com a passar dos anos, que a medida certa não existe porque não é única. Você pode gostar , amar e cuidar de muitas pessoas, porém algumas podem se sentir sufocadas com o excesso de zelo, enquanto…

Precisamos correr riscos!

Dá pra viver sem correr riscos? Na minha opinião, não dá. Ainda que eu acorde todos os dias e faça exatamente tudo igual à ontem, a semana passada, ao mês passado, por receio de me aventurar, experimentar ou perder, ainda estarei me arriscando a ficar presa na mais cruel forma de clausura: a autoimposta. As palavras sábias do…

Boas palavras fazem a diferença!

Há algum tempo, tenho o hábito diário de dirigir pelo menos um elogio à alguém, qualquer pessoa, conhecida ou não. E apenas um elogio sincero pode fazer milagres! Eu vi ! Acredite, pode mudar o rumo de uma vida!Você já reparou que um sorriso, ainda que “meio amarelo” desarma alguém que esteja se sentindo irado…

O verdadeiro valor não está naquilo que os olhos podem ver

Porque será  que algumas pessoas não conseguem enxergar a beleza de uma obra de arte se ela não estiver emoldurada? Ou  não percebem a beleza da lagarta antes de virar borboleta? Ou  avaliam o valor das pessoas pela aparência? O jornal ‘The Washington Post‘ quis lançar um debate sobre valor, contexto e arte e promoveu…

O que serve para mim pode não servir para você…

Esta breve historinha ilustra o fato de que todos nós trazemos experiências únicas; umas boas e outras nem tanto. Absolutamente sempre precisamos optar por um caminho, fazer uma escolha.  Podemos receber conselhos de pessoas que passaram por uma situação parecida, mas aceitá-lo e repetir a conduta do outro nem sempre tem bom resultado. Afinal, como…

O instante mágico

Viver pode ser uma boa aventura quando estamos focados no agora. Pode ser que exatamente neste instante, a mágica esteja se fazendo presente e lhe dando um sinal que você só vai perceber se estiver atento. O texto “O instante mágico” de Paulo Coelho nos convida à reflexão. “É preciso correr riscos.  Só entendemos direito…

Aprendendo sempre…

Nós somos um campo de ressonância de energia e atraímos tudo e tanto quanto nos for semelhante, então, de acordo com nossa experimentação existencial, uma ideia pode ser apenas um conglomerado de palavras ou um campo fecundo de possibilidades. E é bastante gratificante quando nos permitimos que outras teorias germinem. É enriquecedor quando temos a oportunidade de “apreender” e “ensinar”.

Inteligência vs. Sabedoria

Todos nascemos dotados de inteligência e podemos adquirir sabedoria ao longo de nossa existência. Porém, existem pessoas inteligentes, outras sábias e outras inteligentes e sábias. Isto me faz lembrar de Galileu Galilei, quando no tempo da inquisição quase foi condenado por contrariar os interesses da igreja católica ao afirmar que a Terra é redonda e se movia….

Precisamos aprender a ficar sem fazer nada!

Durante toda a minha infância, as férias começavam e terminavam com uma viagem de dez horas. No trajeto até a casa da minha avó, geralmente feito de carro (de ônibus demorava ainda mais), eu me ocupava com os próprios pensamentos, ilustrados pela monótona paisagem que via da janela do banco de trás. Era só o…

Restrição e abundância

O texto que segue, de autoria da escritora portuguesa Alexandra Solnado, leva a reflexão do poder que detemos e de como somos capazes de restringi-lo ou não. O título é “Restrição e abundância”. Espero que apreciem.

“A natureza é abundante. Há muita água, muitas árvores, muitas flores e muitos frutos. Há muitos peixes, muitas espécies, muitos humanos e muita terra.
A terra é grande, e se os recursos forem utilizados corretamente, dá para todos. Todos podem ter tudo, literalmente. E porque não têm?
É difícil perceber isto, mas a verdade é que o ser humano não tem o que precisa porque vibra pela restrição.
Para simplificar vou dizer-te o seguinte: o ser humano não tem porque tem medo de não ter. Parece irônico, não é? Mas é verdade.
Mesmo os homens que detêm mais poder têm medo de perdê-lo. Então agarram-se a ele de tal forma, que desvirtuam o propósito que os levou lá.

Os domingos precisam de feriados

Começo de novo ano. Que seja muito bem-vindo e que possamos crer que até “os domingos precisam de feriado”. Todos nós precisamos de “um tempo”. O texto que segue é de autoria do Rabino Nilton Bonder e penso ser de pura reflexão para você que acredita que o tempo não é mais o mesmo de anos atrás, que a vida está se desfigurando numa velocidade alarmante.
Você acorda mais cansado do que se deitou, as pessoas parecem estar vivendo uma espécie de transe coletivo, e você percebe nitidamente que os dias, os meses, os anos estão passando sem que sejam vividos.

“Toda sexta-feira à noite começa o Shabat para a tradição judaica. Shabat é o conceito que propõe descanso ao final do ciclo semanal de produção, inspirado no descanso divino no sétimo dia da Criação.
Muito além de uma proposta trabalhista, entendemos a pausa como fundamental para a saúde de tudo o que é vivo.
A noite é pausa, o inverno é pausa, mesmo a morte é pausa. Onde não há pausa, a vida lentamente se extingue.
Para um mundo no qual funcionar 24 horas por dia parece não ser suficiente, onde o meio ambiente e a terra imploram por uma folga, onde nós mesmos não suportamos mais a falta de tempo, descansar se torna uma necessidade do planeta.
Hoje, o tempo de “pausa” é preenchido por diversão e alienação. Lazer não é feito de descanso, mas de ocupações “para não nos ocuparmos”. A própria palavra entretenimento indica o desejo de não parar. E a incapacidade de parar é uma forma de depressão. O mundo está deprimido e a indústria do entretenimento cresce nessas condições.
Nossas cidades se parecem cada vez mais com a Disneylandia. Longas filas para aproveitar experiências pouco interativas.